Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Brasão da RepúblicaBrasão da República

CÓDIGO CIVIL LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002

Presidência da República
Casa
Civil

Subchefia para Assuntos Jurídicos

 

Seção VII 

Do Direito de Construir

Art. 1.299. O proprietário pode levantar em seu terreno as construções que lhe aprouver, salvo o direito dos vizinhos e os regulamentos administrativos.

Art. 1.300. O proprietário construirá de maneira que o seu prédio não despeje águas, diretamente, sobre o prédio vizinho.

Art. 1.301. É defeso abrir janelas, ou fazer eirado, terraço ou varanda, a menos de metro e meio do terreno vizinho.
§ 1o As janelas cuja visão não incida sobre a linha divisória, bem como as perpendiculares, não poderão ser abertas a menos de setenta e cinco centímetros.
§ 2o As disposições deste artigo não abrangem as aberturas para luz ou ventilação, não maiores de dez centímetros de largura sobre vinte de comprimento e construídas a mais de dois metros de altura de cada piso.

Art. 1.302. O proprietário pode, no lapso de ano e dia após a conclusão da obra, exigir que se desfaça janela, sacada, terraço ou goteira sobre o seu prédio; escoado o prazo, não poderá, por sua vez, edificar sem atender ao disposto no artigo antecedente, nem impedir, ou dificultar, o escoamento das águas da goteira, com prejuízo para o prédio vizinho.
Parágrafo único. Em se tratando de vãos, ou aberturas para luz, seja qual for a quantidade, altura e disposição, o vizinho poderá, a todo tempo, levantar a sua edificação, ou contramuro, ainda que lhes vede a claridade.

Art. 1.303. Na zona rural, não será permitido levantar edificações a menos de três metros do terreno vizinho.

Art. 1.304. Nas cidades, vilas e povoados cuja edificação estiver adstrita a alinhamento, o dono de um terreno pode nele edificar, madeirando na parede divisória do prédio contíguo, se ela suportar a nova construção; mas terá de embolsar ao vizinho metade do valor da parede e do chão correspondentes.

Art. 1.305. O confinante, que primeiro construir, pode assentar a parede divisória até meia espessura no terreno contíguo, sem perder por isso o direito a haver meio valor dela se o vizinho a travejar, caso em que o primeiro fixará a largura e a profundidade do alicerce.
Parágrafo único. Se a parede divisória pertencer a um dos vizinhos, e não tiver capacidade para ser travejada pelo outro, não poderá este fazer-lhe alicerce ao pé sem prestar caução àquele, pelo risco a que expõe a construção anterior.

Art. 1.306. O condômino da parede-meia pode utilizá-la até ao meio da espessura, não pondo em risco a segurança ou a separação dos dois prédios, e avisando previamente o outro condômino das obras que ali tenciona fazer; não pode sem consentimento do outro, fazer, na parede-meia, armários, ou obras semelhantes, correspondendo a outras, da mesma natureza, já feitas do lado oposto.

Art. 1.307. Qualquer dos confinantes pode altear a parede divisória, se necessário reconstruindo-a, para suportar o alteamento; arcará com todas as despesas, inclusive de conservação, ou com metade, se o vizinho adquirir meação também na parte aumentada.

Art. 1.308. Não é lícito encostar à parede divisória chaminés, fogões, fornos ou quaisquer aparelhos ou depósitos suscetíveis de produzir infiltrações ou interferências prejudiciais ao vizinho.
Parágrafo único. A disposição anterior não abrange as chaminés ordinárias e os fogões de cozinha.

Art. 1.309. São proibidas construções capazes de poluir, ou inutilizar, para uso ordinário, a água do poço, ou nascente alheia, a elas preexistentes.

Art. 1.310. Não é permitido fazer escavações ou quaisquer obras que tirem ao poço ou à nascente de outrem a água indispensável às suas necessidades normais.

Art. 1.311. Não é permitida a execução de qualquer obra ou serviço suscetível de provocar desmoronamento ou deslocação de terra, ou que comprometa a segurança do prédio vizinho, senão após haverem sido feitas as obras acautelatórias.
Parágrafo único. O proprietário do prédio vizinho tem direito a ressarcimento pelos prejuízos que sofrer, não obstante haverem sido realizadas as obras acautelatórias.

Art. 1.312. Todo aquele que violar as proibições estabelecidas nesta Seção é obrigado a demolir as construções feitas, respondendo por perdas e danos.

Art. 1.313. O proprietário ou ocupante do imóvel é obrigado a tolerar que o vizinho entre no prédio, mediante prévio aviso, para:
I- dele temporariamente usar, quando indispensável à reparação, construção, reconstrução ou limpeza de sua casa ou do muro divisório;
II - apoderar-se de coisas suas, inclusive animais que aí se encontrem casualmente.
§ 1o O disposto neste artigo aplica-se aos casos de limpeza ou reparação de esgotos, goteiras, aparelhos higiênicos, poços e nascentes e ao aparo de cerca viva.
§ 2o Na hipótese do inciso II, uma vez entregues as coisas buscadas pelo vizinho, poderá ser impedida a sua entrada no imóvel.
§ 3o Se do exercício do direito assegurado neste artigo provier dano, terá o prejudicado direito a ressarcimento.

Inspeção Predial - Check-Up - Perícia Legal, Técnica e Judicial - Manutenção Predial - Conservação - Estabilidade - Construção - Reforma - Incêndio - Normas - NR - Leis - Decretos - Prefeitura - Estado - Engenheiro de Segurança do Trabalho - Engenharia de Controle e Perdas - Arquiteto - Arquitetura e Urbanismo - Projetos - CAU/RJ - CREA/RJ - Secretaria Municipal de Urbanismo do Rio de Janeiro - LTVP - Laudo Técnico de Vistoria Predial - Edifício - Prédio - Shopping - Comercial - Residencial - Centro Comercial - Prédio Comercial - Industrial - Fábrica - Confecção - Hospitalar - Indústria Química - Indústria Alimentícia - Indústria Naval - Estaleiro - curso de autovistoria - IBAPE - Engenharia Legal - bairro - região - área - Barra da Tijuca - centro - zona sul - copacabana - ipanema - leblon - botafogo - glória - catete - laranjeiras - humaítá - leme - jardim botânico - ilha do governador - flamengo - tijuca - lapa - são cristovão - vila isabel - méier - madureira - grajaú -maracanã - gávea - lagoa- Recreio - jacarepaguá - taquara - freguesia - hotel - bar - restaurantes -  laudos de vistoria - CBMERJ - Corpo de Bombeiros - COSCIP - Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico - gás - vazamento - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NR - normas regulamentadoras - MTE - Ministério do Trabalho e Emprego - Escada Enclausurada - para-raios - orçamento - credibilidade - preço - prazo - elétrica - esgotos - administração - empresa - imóvel tombado - imóvel apacado - imóvel preservado - centro histórico - duque de caxias - niterói - nova iguaçú - nova friburgo - petrópolis - são gonçalo - campos dos goytacazes - resende - campinas - são paulo - sp - belo horizonte - betim - mg - minas gerais -  vitoria - vila velha - espírito santo - es - curitiba - paraná -pr - Perito Judicial - Assistente Técnico -sesmt - pcmso - ppra - cipa -aso - medida provisória Nº 759, de 22 de dezembro de 2016 , do direito real de laje -  Código Civil 10406 LEI Nº 10.406  de 10 de Janeiro de 2002 (Do Direito de Construir) - regularizar condomínio - legalizar imóvel - mediação - conciliação - arbitragem - inspeção de gás no RJ - vistoria de gás no RJ - sistema fotovoltaico - energia solar - painel solar - créditos de energia -  ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) - Vistoria de Marquises (DSEM) - Laudo de CBMERJ (Licença de Edificação) - Contabilidade